Papa Francisco: Estamos ao lado do Papa, por uma Igreja em saída

Por que isto é importante

[ English ]
Click image to add your signature

Somos cristãos e cristãs e igualmente gentes de todos os credos e caminhadas, de todos os gêneros, raças, cores, cheiros, brasileiros até o fundo d’alma, mesmo que alguns e algumas de nós não tenhamos nascido nesta terra‐caldeirão. 

Reunimo‐nos neste texto para proclamar: estamos ao lado do Papa Francisco, por uma Igreja em saída, por um mundo que promova a cultura do encontro e não a rotina do descarte, por uma humanidade que acolha os mais pobres, frágeis, os sem teto, sem terra, sem comida, sem nada, em vez de tratá‐los como lixo. 

Escrevemos para apoiar o Papa no contexto da crise político‐econômica do Brasil, dominado por um governo dos ricos, nascido de um golpe de Estado, com um projeto de destruição dos direitos trabalhistas, previdenciários e outros, com ataques seguidos aos pobres do campo e das cidades, especialmente aos mais vulneráveis, crianças, velhos e velhas, indígenas, mulheres, negros e negras, lésbicas, gays, bissexuais, travestis, transexuais e transgêneros. 

Sentimo‐nos convocados e convocadas por Francisco para estar com os pequenos e pequenas do Mestre. 

Levantamo‐nos, ao lado do Papa, contra a intenção manifesta de um fechamento eclesial que pretende transformar a primavera florescente de hoje no retorno à longa noite invernal. As posições assumidas por quatro cardeais restauracionistas e seus seguidores, que acusaram o Papa numa carta pública de “causar confusão doutrinal em relação a assuntos‐chave da doutrina católica” são a expressão de uma visão de Igreja que atenda a projetos de poder, dominação e controle sobre as pessoas. 

Insurgem‐se os quatro cardeais e seus simpatizantes contra a Exortação Apostólica Pós‐Sinodal “Sobre o Amor na Família” (Amoris Laetitia), especialmente contra o direito de divorciados e divorciadas em segunda união partilharem da Comunhão Eucarística, baseados em falsos pressupostos de fundo moral e teológico que não encontram sustentação no melhor da tradição da Igreja. O Papa, no seguimento das pegadas do Manso e Humilde, vê diversidade e ocasião de acolhimento onde os olhos da censura enxergam apenas diferença e motivos de separação e exclusão. 

Aos poucos, depois de anos de congelamento, a Igreja no Brasil retoma sua caminhada pastoral, profética e popular. Queremos muito mais. Não negamos o direito de livre expressão de pensamento de quem quer que seja. Afirmamos com desassombro, entretanto, que o explícito ou implícito apoio de segmentos da hierarquia a esses cardeais é um ataque à eclesiologia do Papa e do Vaticano II, que definiu a Igreja como Povo de Deus em movimento, muito além dos limites clericais. Não é mera coincidência o fato de os membros da Igreja que sustentam os cardeais rebelados sejam também aderidos ao golpe de Estado no Brasil e aos ataques aos direitos dos mais pobres. 

Ao apoiar o Papa Francisco, deixamos explícitos alguns posicionamento que, entendemos, fazem dos cristãos e cristãs em todo o planeta uma Igreja em saída. 

Defendemos: 

  1. a inclusão universal de todos os cristãos e cristãs à cidadania na comunidade eclesial mediante os sacramentos; 
  2. o sacerdócio ministerial celibatário opcional; 
  3. a criação de um organismo consultivo especial de mulheres ligadas ao Colégio de Cardeais para oportunizar mais espaço para a liderança feminina na Igreja; 
  4. o fechamento dos seminários maiores e retorno às casas de formação presbiteral;
  5. a nomeação de bispos “com cheiro das ovelhas”, na expressão do Papa, sem interferência da Nunciatura Apostólica; 
  6. o estímulo e apoio da CNBB às Comunidades Eclesiais de Base (as CEB’s); 
  7. a convergência da Igreja com os movimentos sociais, no espírito dos três Encontros Mundiais dos Movimentos Populares convocados pelo Papa. 

 Como “Igreja – Povo de Deus – em Movimento” (IPDM), abaixo assinamos. 

 ‐ Igreja Povo de Deus em Movimento (IPDM); 
‐ Conselho Indigenista Missionário (CIMI); 
‐ Comissão Pastoral da Terra (CPT); 
‐ Serviço Inter Franciscano de Justiça, Paz e Ecologia (SINFRAJUPE); 
‐ Rede Ecumênica da Juventude (REJU) 
‐ Centro de Capacitação das Juventudes (CCJ); 
‐ Nós Somos a Igreja – São Paulo;
‐ Pastoral Fé e Política São Paulo

Pessoas 

‐ Pe. Paulo Sérgio Bezerra, articulador IPDM. 
‐ Pe. Ticão, articulador IPDM. 
‐ Eduardo Brasileiro, articulador IPDM. 
‐ Frei Betto, frade dominicano e escritor. 
‐ Marcelo Barros, teólogo. ‐ Mauro Lopes, jornalista e escritor. 
‐ Moema Miranda, antropóloga IBASE. 
‐ Flavio Irala, bispo anglicano, presidente do CAMI (Centro de Apoio e Pastoral do Migrante) 
‐ Chico Whitaker
‐ Stella Whitaker
‐ Ermínia Maricato, professora USP. 
‐ Frei José Fernandes, OP, vice coordenador da Comissão Dominicana de Justiça e Paz do Brasil. 
‐ Thiesco Crisóstomo, militante da Pastoral da Juventude e liderança das Cebs na Diocese de Marabá. 
‐ Aline Ogliari, secretária nacional da Pastoral da Juventude. 
‐ João Paulo Medeiros, Assessor Comissão Pastoral da Terra (CPT). 
‐ Rosemary Fernandes da Costa, educadora e teóloga. 
‐ Franklin Félix, educador popular e Espíritas Pelos Direitos Humanos. 
‐ Andreia Alves, educadora popular Centro Social Nossa Senhora do Bom Parto.
‐ Igor Bastos, Juventude Franciscana (JUFRA) e Movimento Católico Global Pelo Clima. ‐ Monica Lopes, Pastoral Fé e Política. 
‐ Benedito Prezia, Pastoral Indigenista. 
‐ Pe. Antônio Ferreira Naves, Comissão Pastoral da Terra São Paulo. 
‐ Pe. Júlio Lancelotti, vigário do povo da rua Arquidiocese de São Paulo